Logo no início da desativação do lixão da Cidade Estrutural, comércios do local vão passar por uma transformação, quedas nas vendas equivalentes a no mínimo de 2 a 5 milhões.

Catadores reclamam que o fim do aterro que sustenta cerca de 2.000 catadores de lixo, quando for encerrado pode trazer apenas desemprego e sofrimento.
O encerramento das atividades vai prejudicar catadores que se sustentam do lixo por mais de décadas.

Dono de “mercado” há anos, trabalha a poucos metros da entrada do aterro, conta que vende bem até o encerramento das atividades no lixão Pode ser que piore as vendas , pode de repente fica tudo deserto.
A situação é a mesma para todos os comerciantes da região, logo no Início do fechamento do aterro.

Segundo o governo

Existe um Programa que incluiu 900 trabalhadores. Eles atuarão como multiplicadores de informações voltadas para gestão e educação ambiental e sustentável.
Os trabalhadores vão agir como multiplicadores de informações voltadas à gestão e à educação ambiental e sustentável. A bolsa mensal é de R$ 300, e os recursos vêm do fundo de assistência social da secretaria. De acordo com a pasta, o processo contou com 1.767 inscritos.
Segundo alguns catadores o valor é muito baixo para o sustento da família, e pedem para o governador do Distrito Federal fechar o aterro só quando estiver pronto os galpões de triagem do local para eles trabalharem.

Segundo os catadores Foi oficialmente anunciada pelo GDF a inauguração do Aterro Sanitário de Samambaia no dia 17/01/2017, mas não foram escutados os mais de 2.000 catadores que atualmente trabalham no Lixão da Estrutural.
Os catadores fizeram uma proposta ao GDF de transformar o Lixão da Estrutural em uma área temporária de transbordo até que os galpões de triagem ficassem prontos, e com isso não perdessem o trabalho e renda.

O GDF alegou que era inviável o trabalho de máquinas, por conta da instabilidade do solo.
A preocupação dos catadores e que o Governo quer fazer os galpões no futuro que está prestes a terminar, pois há somente mais 2 anos de gestão Rollemberg.
A catadora Janiscleide desesperada faz apelo ao governador do DF, com 7 filhos para criar e ganhando esse valor que o governo oferece de R$ 300,00 por 6 meses fica difícil o sustento de sua família, e catadores esperan a sensibilidade do governo de Brasília para a construção dos galpões de triagem para que não percam suas rendas.

Por: Edvaldo Campos
Nada Além da verdade

Comentários

Atenção! Os comentários do Jornal Fogo Cruzado DF são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios podem ser denunciados por outros usuários, acarretando até mesmo a perda da conta do Facebook.
COMPARTIHAR